terça-feira, 10 de maio de 2011

( Retratos contados)

Mistério infantil

Meu pai me dizia:
- Fui um dia pegar girino
pra ver virar neném;
desapontado fiquei;
girino vira sapo.
Mas como fazia neném?
Por volta dos dezesseis; fui entendendo;
sobre o homem e mulher.

ps: um texto que encontrei em meus guardados... tem cheirinho de mofo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pequena crônica poética – sobre os lençóis

Paisagens mutantes, vento e areia minúsculos pontos brilhantes envolvidos num sopro. Sopros e pontos brilhantes construindo relevos. Lá ...