quarta-feira, 6 de julho de 2011

Pequena crônica poética – turvação atmosférica

Aqui há um rio,
a cidade passa pelo rio,

a manhã de julho
arrepia meus pêlos
os olhos se embaçam
na neblina ...
que pinta o rio no céu,
pintura que se sublima.
Espetáculo matinal.

4 comentários:

  1. raquel!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    arrepiei, de verdade. Fiquei agradecido a Deus por vc ter escrito este poema.

    em primeiro lugar, a cidade passa pelo rio!!!! Lindo, porque é sempre o rio que passa. Essa tirada de foco, da cidade para o rio, é muito legal, porque quem chega depois é a cidade mesmo, o rio que é a constante, o substrato.

    Agora, essa descrição da neblina, é linda: ela pinta o rio no céu!!!!!! Uma pintura que sublima, como naftalina!!!!!! Gente. Muito bom mesmo. Tem um poema do João Cabral de Melo Neto que se chama 'Tecendo a manhã', que acho belíssimo, simplesmente explicando o que é o amanhecer. Você fez o mesmo, com a mesma qualidade, sobre a neblina. Obrigado.

    ResponderExcluir
  2. É muito fácil compreender o porquê que poemas e textos tão belos quanto esse, que alcançam a alma e tornam o dia do leitor mais bonito, não tem muitos comentários.
    É porque, após ler, ao leitor faltam as palavras.

    ResponderExcluir
  3. Raquel... Acho esse seu poema um dos mais bonitos da lingua portuguesa. Pelo menos dos que já li.... De verdade!

    ResponderExcluir

Exercício urbano

Fui tomada pelo insano desejo de ver o chão, difícil abaixar os olhos, ensinar a métrica do chão nesse olho tão viciado em céu. chão mor...