domingo, 29 de abril de 2012

Seara do poema


(Para Diogo de Lima)

O poema é estado gestação,
Cresce por dentro...
Vagarosamente

            Cá dentro
            A matéria bruta
            e o intangível
            Transfiguram-se.
            Por inaptidão
            (das terminações nervosas)
            de apreender o sentido do óbvio,
           
o poema é a libertinagem das palavras,
e todo parto é contração dolorosa
(ainda que cheia de gozo)

            Após o parto pertence ao outro,
            libertino que é,
transfigura-se outra vez.


3 comentários:

  1. Ele agora é do mundo
    mas digo poeta
    ele é lindo
    por que verseja sobre
    a gestação do verso
    momento que a poesia
    é parida
    momento em que ganha o mundo
    mas saiba que tem aborto
    tem contracepção
    e algumas depois de nascidas
    não larga a saia
    da gente

    poema mui lindo

    Luiz Alfredo - poeta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. que lindooooo!!!!!!!! nossa .... obrigada por compartilhar!

      Excluir

Mares brilhantes

Tudo chega tão rápido, Mares infinitos que se abrem por meio de telas brilhantes. Tanto mais eu nado, mais me afogo. Bits brilhantes de m...