sábado, 12 de janeiro de 2013

Diálogos intermitentes


                                                               | sobre essa estranha mania de falar sozinho |


Quando o silêncio alcança altos decibéis,
             Totalmente insuportáveis aos corações humanos.

Nós inventamos o outro,
              e são muitas as naturezas:
             animal, pétreo, virtual
             há até quem fale consigo mesmo.
             e outros ainda dedilham nas letras o silêncio da solitude.

Somos tão ínfimos
Não bastamos em nós mesmos,
Mas detemos a imaginação...

E a senhora, minha vizinha clama a sua gata
- Zuli sua égua véia vai durmir 
E o bichano atente prontamente. 

3 comentários:

  1. Você tem razão, Raquel, não bastamos a nós mesmos, o que é uma coisa muito triste. Linda poesia. Abraços

    ResponderExcluir
  2. sabe, falar sozinho não é indicio de que estamos loucos ~como os outros pensam. serve pra pôr em ordem nossos pensamentos. falamos em voz alta para ouvirmos a nós mesmos mais claramente.

    ResponderExcluir

Mares brilhantes

Tudo chega tão rápido, Mares infinitos que se abrem por meio de telas brilhantes. Tanto mais eu nado, mais me afogo. Bits brilhantes de m...