quarta-feira, 25 de maio de 2011

Pequena crônica poética – partitura musical

No oco da pausa musical


habita o silêncio,

a nota é figura

de vibração.

Lanço-me em seus antagonismos,

em íntimo gozo.

Um comentário:

Trovinha celeste

Moro numa cidade onde a noite entra no dia abruptamente. Eu tenho saudades do entremeio do pôr do sol, a noite come o dia devagarinho, ...