domingo, 23 de agosto de 2009

A caixa

Fito as imagens,
que fixas só me fingem
retribuir.
Deleito-me com os instantâneos
Perpepasso todo meu ser
em cada momento encapsulado,
para isto que se denomina
posteridade.
Alguns poderiam ser destruídos
em ato de amnésia.
Mas não há jeito ou forma
de fazê-lo.
Somente o silêncio diante do estranhamento
da vida que se passa, sem possibilidade de detenção.
Guardo meus sortimentos na caixa.
Cuidadosamente.

2 comentários:

  1. raquel! mto bom o poema... q dia vai tentar publicar um livrinho, hein?? acho q já é hora de tentar...

    ResponderExcluir
  2. lindos seus poemas! e concordo com o henrique.
    meu tfg anda bem animado! Rimos de vc esses dias lah no laboratorio de pesquisa. haha

    besos =*

    ResponderExcluir

Trovinha celeste

Moro numa cidade onde a noite entra no dia abruptamente. Eu tenho saudades do entremeio do pôr do sol, a noite come o dia devagarinho, ...