quarta-feira, 18 de julho de 2018

Trovinha celeste

Moro numa cidade
onde a noite entra no dia
abruptamente.
Eu tenho saudades
do entremeio do pôr do sol,
a noite come o dia devagarinho,
com sutileza
misturando suas cores,
até serem um só
de gozo o céu pode se espipocar
em brancas estrelas.

Hoje não tem poesia

Tem sido difícil tentar explicar o óbvio. Eliane Brum nos diz que vivemos numa crise de palavras, na qual diferente do período da censura a...