quarta-feira, 19 de abril de 2017

Vi uma boca hoje
de um vermelho
des-pu-do-ra-do,
me absorvi,
na dança tremulante.
pausas | mordidas | suspiros| saliva
vermelhos.
Não vi corpo.

Pode ser que fosse um corpo desses comuns
que andam por aí,
mas não sei
naquele breve infinito
pareceu-me que a boca era o corpo.
E a boca saiu por aí, nessa multidão de corpos comuns
Feitos de corpos com bocas.

Hoje não tem poesia

Tem sido difícil tentar explicar o óbvio. Eliane Brum nos diz que vivemos numa crise de palavras, na qual diferente do período da censura a...