quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Fármaco poético

( Para Dalton Castro)

Toda poesia é uma tentativa:
recorrente de esvaziar um tanto de si,
agitar os sedimentos depositados no fundo.
Por que se escreve?
Necessidade vital de burilar a palavra
pra sair figurinhas cheias de insignificâncias.
Há as vezes cansaço
burilar a palavra ocupa muita parte do tempo,
é preciso se esforçar para não esquecer,
tem horas que se quer esquecer e não se pode,
tem horas que se quer lembrar mas já passou
e o que ficou é um vago esboço do que se pretendia.
tem horas em que se quer largar mas a coisa vai crescendo
e você não presta pra mais nada,
daí a coisa sai em qualquer lugar, as vezes como um borrão.
Pode ser da poesia, ser um tanto terapêutica.


Um comentário:

  1. Lindo, raquel. Me tira uma tonelada cada vez que leio suas poesias

    ResponderExcluir

Pequena crônica poética – sobre os lençóis

Paisagens mutantes, vento e areia minúsculos pontos brilhantes envolvidos num sopro. Sopros e pontos brilhantes construindo relevos. Lá ...