quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Poemeto sobre o dia a dia

Cada dia a casa se faz,
mais lar
com as invariáveis pistas de que há moradores
na cozinha, sala, quartos e banheiro.
Miudezinhas cotidianas
o sentir que se amplia para caber no limite do abraço.


Apreender um tanto de si e do outro todos os dias.

Um comentário:

Trovinha celeste

Moro numa cidade onde a noite entra no dia abruptamente. Eu tenho saudades do entremeio do pôr do sol, a noite come o dia devagarinho, ...