terça-feira, 31 de março de 2015

Lições poéticas

  As coisas que não levam a nada
   Tem grande importância
              Manoel de Barros – Matéria de poesia


...Quanto mais poesia há na vistas maiores se tornam as coisas pequenas.
Parece que a poesia tem assanhamentos pelas causas despercebidas...

 Houve um tempo que me fizeram crer que poesia era causa catedrática.
de métrica , rima, versos
era a poesia vestida de traje de gala.
( eu já queria tirar a roupa da poesia mas precisava de muito esforço pra desembrulhar)
 Nesse tempo achava que a poesia só olhava o importante.
tenho nada de importante.

Nem sei de quando começou
(vagas me lembram que foi lentamente)
a poesia foi afrouxando o traje de gala,
falando das coisas miudinhas,
vi tanta graça que fui arrebatado.

... pode ser a origem desses meus achamentos de poeta ...


sexta-feira, 13 de março de 2015

Domesticidades

Entre a mulher que sou
e a casa que se faz
há vagos de espaços
demoradamente preenchidos
como se tulhas fossem.
Ao fim do dia quando tu chegas

casa se aquece em branda chama.

quinta-feira, 5 de março de 2015

Pequena crônica poética – fluminenses

Primeiro foram os morros,
Insurgências do oco da terra,
os homens galgam os morros com as casas,
relações abstratas de apoio.
Alguns foram tingidos em cinza
outros, resistem ainda verdes.

Relevo de desenho pouco útil
| como viu Elizabeth Bishop|
De arredondados libidinosos

olho fica cheio de assanhamento.

Mares brilhantes

Tudo chega tão rápido, Mares infinitos que se abrem por meio de telas brilhantes. Tanto mais eu nado, mais me afogo. Bits brilhantes de m...