quinta-feira, 3 de abril de 2014

Pequena crônica poética – hidros nº 02

Cidade pompa
Exibe o corpo para o olhar estrangeiro.
despudor.
No topo, torres vigiam
a parte baixa.

Na parte baixa
ruas exibem os sentidos do corpo.
Os corpos deitam sobre as águas do rio.
Efervescência.


Rio das almas
|todo pudor|

Rio das almas...
| todo prazer|.


2 comentários:

  1. Muito bom dona raquel! Para variar. Abrc.

    ResponderExcluir
  2. Oi Raquel, os "teus rios" se entrelaçam com o homem, sua cidade, seguem
    o seu curso e desembocam em poesia!
    Passei pra retribuir a visita que fizeste ao 'mínimo ajuste', onde sou uma das colaboradoras do blog. Se quiseres dar uma passada no 'cirandeira', a porta está aberta para receber-te rs

    beijos

    ResponderExcluir

Mares brilhantes

Tudo chega tão rápido, Mares infinitos que se abrem por meio de telas brilhantes. Tanto mais eu nado, mais me afogo. Bits brilhantes de m...