segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Pequena crônica poética – hidros nº 01

 O curso da água desenha a cidade.
Deito meu olhar sobre os rios

nomes próprios em cada curso

lá na cidade de pedra
o rio divide
o lado de lá
o lado de cá,

                forte em suas arrebantações
                pouco sobra das coisas dos homens.

na cidade de pedra o vermelho esparrama-se em reinado.

Trovinha celeste

Moro numa cidade onde a noite entra no dia abruptamente. Eu tenho saudades do entremeio do pôr do sol, a noite come o dia devagarinho, ...