quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Pequena crônica poética – a que vela a cidade

Homens ergueram com suas mãos grossas,
paredes sólidas... de pouco prumo,
de pouco esquadro,
há séculos velam a cidade.

Por dentro balbucios ecoam,
no silêncio,
paredes sólidas,
guardam a fé dos homens
há séculos.

Há séculos,
o mistério é o mesmo.

2 comentários:

  1. Raquel, seus poemas sobre a cidade estão páreo a páreo com os de Calvino. Quero guardá-los todos.

    ResponderExcluir
  2. no máximo são escrivanhoções em rascunho...

    ResponderExcluir

De Cortázar - esperanças

Tem dias de esperança aquilo que passa por você . Um sentir, de não estar. Dias de esperança são difíceis, tudo fica ali no qua...