quarta-feira, 22 de junho de 2011

Pequena crônica poética – canteiro

                                                      ( Canteiro de obra como lugar cultivável ...sincero respeito
                                                                à todos que edificam e indignação compartilhada.)


Os olhos entupidos do todo dia,
da poeira, cimento e cal....
mãos obreiras
que lavram
o canteiro...
lavram com saber
testado e herdado.

Indigno-me das mãos obreiras
não adentrarem nos seus lavradios
quando na colheita.
obedecendo limites [in]visíveis.

Indigno-me com a cisão
da mão obreira com o fruto.

2 comentários:

Hoje não tem poesia

Tem sido difícil tentar explicar o óbvio. Eliane Brum nos diz que vivemos numa crise de palavras, na qual diferente do período da censura a...