quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Pequena crônica poética - Pouso da Penha

Certas cidades,
Guardam as coisas pequenas
Extremamente raras que devido ao cataclisma moderno
Seguem cada vez mais rumo à extinção por falta de uso.
Há por isso sempre um susto
Em retirar aquela grande chave
Por debaixo da porta

Abrir,
Fechar,
Entrar
e novamente colocar na frestinha.

Assim permanecem as portas sempre abertas.

Mares brilhantes

Tudo chega tão rápido, Mares infinitos que se abrem por meio de telas brilhantes. Tanto mais eu nado, mais me afogo. Bits brilhantes de m...