sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Poesia em prisão de ventre

A poesia lá dentro presa.
Num estado de profunda mudez.
E sobre todas as coisas a poesia gritaria...
Estática sou quando não grito na poesia,
Não ao verso,
Não à cada letra
Não à cada ponto e virgula.

Poesia em prisão de ventre,
Sem causa nem motivo aparente.

A falta da poesia
Em mim,
Olhos abertos
e total cegueira.

Um comentário:

  1. O laxante da poesia talvez funcione ao contrário: tem que forçar para a poesia não nascer. Forçá-la a ser muda, a ser presa, a não ter motivo. Aí então ela vai nascer e gritar com toda força, quando você menos esperar.

    ResponderExcluir

Mares brilhantes

Tudo chega tão rápido, Mares infinitos que se abrem por meio de telas brilhantes. Tanto mais eu nado, mais me afogo. Bits brilhantes de m...