sábado, 16 de janeiro de 2010

Tratado do existir

Só sei existir quando me parto,

para enfim ser possível transfigurar
só sei existir quando parte de mim,
es ca pa a a a
sublima a a a

Em estado de sublimação,
sou livre.

3 comentários:

  1. lindo poema, como quem o escreveu *-*

    ResponderExcluir
  2. oi raquel! sobre seu comentário sobre a minha 'série de janeiro' (hahah)...: foi este poema aqui seu que me desviou e fez eu escrever os ultimos! obrigado!

    ResponderExcluir

Pequena crônica poética – sobre os lençóis

Paisagens mutantes, vento e areia minúsculos pontos brilhantes envolvidos num sopro. Sopros e pontos brilhantes construindo relevos. Lá ...