quinta-feira, 19 de novembro de 2009

poema parasita 2

No setembro
tem chuvas.
Nas chuvas
brotam cigarras.

por sua vez,
cigarros
, nas chuvas,
desbotam,
impotentes.

Cigarras
cigarilham
estridentes
dentro
dos meus
orifícios.

e, nos meus,
flutuantes,
cigarros aniquilam
dentifrícios.

ci ga rra
ci ga rra

e..s...f...u..m...a..ç..a...

Nome, som
incrustantes.

nome, som
deteriorantes.

*Porque o amigo poeta Henrique Vitorino, inventou essa história no seu blog: http://encurtacao.blogspot.com/

os versos em azuis são dele ...uma licença de cor

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Hoje não tem poesia

Tem sido difícil tentar explicar o óbvio. Eliane Brum nos diz que vivemos numa crise de palavras, na qual diferente do período da censura a...