quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Embornal da saudade

                    Homenagem aos amigos nativos ou não de Uberlândia, a enorme falta!


No princípio eram as ânsias,
mas
quando os olhos se abriram de
             estatalar
foi o
     susto,
e o olhos estalados de susto,
viam as compridas avenidas,
os ônibus aboletados,
as lojas,
o ir e vir,
e tudo tão grande.


Ainda cheio de susto,
foram adentrando
as marias
e joãos,
e então o susto
apavorou-se.
E quando ensaiva a volta
as marias
e joãos
eram só abrigo.
E assim tudo ficou familiar,
de tal jeito,
que todos os dias
são estes agudos no peito.

2 comentários:

  1. raquel,
    só tesouros caem de sua cabecinha!
    Que beleza. Logo logo, um livrinho seu, hein??

    ResponderExcluir
  2. Adorei :) ' Tomara que esse dom poético seja de família!

    ResponderExcluir

Mares brilhantes

Tudo chega tão rápido, Mares infinitos que se abrem por meio de telas brilhantes. Tanto mais eu nado, mais me afogo. Bits brilhantes de m...