domingo, 20 de setembro de 2009

O Tiozim pescador

Do menino-pai, face obscura que só conheço por alguns causos a mim contados, em primeira ou terceira pessoa. De alguma certeza é que cresceu numa fazenda, anos mais tarde vivenciada por esta narradora explícita inexperiente no processo de alinhar as frases uma atrás da outra.


O fato é que o menino-pai tinha um cachorro destes sem eira, até seu nome era vagabundo Tiozim, porque o pai-grande não se lembra o nome dele acha que era este mesmo, só tem certeza que o bichinho não tinha pedigree. Tiozim seguia o menino-pai, onde ia o Tiozim estava atrás. Como o pai-adulto disse:

- Meu companheirão!

O menino-pai cedo, mostra forte aptidão para as artes da pescaria, sendo esta vocação natural motivos de muitos ralhos e até umas palmadas, o pai-grande diz:

- O povo antigamente era muito sem jeito.

Nas fugas pra pescar, lá estava o Tiozim, que logo aprendeu a entrar na água para se refrescar e abanar o pelo. Tiozim fica quieto a observar a água, menino-pai fica encucado com aquilo e lança o anzol onde o cachorro olha. Espera... espera e então? Treme a linha do anzol, puxa a traíra...

Menino-pai que não era bobo sempre levava o Tiozim pra pescar, onde olhava era batata! Tiozim acompanhou menino-pai que logo cresceu e se foi pro mundo. Tiozim ficou no coração do pai-grande.

2 comentários:

  1. ai raquel. esse blog é pequeno pros seus textos.

    ResponderExcluir
  2. ahaha paulinha... por que ahah!!!!

    acho q não ta mais com cara de ensaio isso de alinhar as palavras deste jeito!!!

    ResponderExcluir

Mares brilhantes

Tudo chega tão rápido, Mares infinitos que se abrem por meio de telas brilhantes. Tanto mais eu nado, mais me afogo. Bits brilhantes de m...