terça-feira, 10 de março de 2009

Sobre as coisas ocultas

Escondo-me.
Cada palavra
redigida no escuro,
por debaixo da coberta.
Escondem-se
todas as palavras
esquivam-se de minhas mãos;
quando consigo por ventura capturar,
tal ser anímico,
não há jeito,
não a forma,
de ordenar,
impor ritmo,
precisão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Entre mãe e filha

Te fito nos olhos, um desejo de estar neles. O quanto olhamos sem nos enxergarmos? As coisas que o tempo apaga na gente, a arte de perd...